A Associação - Organização

“Cada qual use o dom recebido a serviço dos outros, como bons administradores da multiforme graça de Deus” (1Pd 4,10)

A organização é um meio de concentrar as forças para a execução da missão. Dom Bosco quis uma organização ágil e eficaz.

Hoje a Associação tem sua estrutura flexível e funcional, organizada nos níveis locais, provinciais e mundial.

Esta organização pretende valorizar a eficácia da sua ação sobre o território e a abertura à universalidade da comunhão e da missão.



O INICIO DESTA HISTÓRIA

Preocupado com a união coerente das forças do bem e mirando a uma ampla eficácia, Dom Bosco, homem cheio de zelo mas realista, quis, desde o início, que os Cooperadores formassem uma Associação “organizada”. Com agilidade mental e espírito prático, implantou as estruturas básicas desta organização, indicadas no Capítulo V do Regulamento de 1876.

Dom Bosco tem confiança nos jovens: vale a pena verificar que aceita como cooperadores rapazes e moças desde os 16 anos! (*devemos perceber o momento histórico e cultural da época). Com a única condição de certa maturidade: terem a “firme vontade de se conformarem com as regras propostas”. Ele espera certamente de seu dinamismo uma contribuição muito preciosa para a missão: jovens são muito capazes de ajudar outros jovens!
        
Dom Bosco confia a direção geral da Associação ao “Superior da Congregação Salesiana”, isto é, a si mesmo e a seus sucessores. E percebe-se que no plano regional e local, os diretores de casa salesiana, os dirigentes dos centros em que não existe obra salesiana, mais do que responsáveis diretos dos grupos de Cooperadores, eles são representantes do Superior maior com quem eles devem “corresponder-se”e que tem o “registro geral”. O superior centraliza também as ofertas. Encontramos aqui grande preocupação da unidade: Dom Bosco quer que as forças apostólicas salesianas, evitando toda dispersão, procedam em boa ordem com o mesmo espírito e seguindo as mesmas diretivas. Esse é o preço da eficácia. Cada Cooperador, ademais, pode fazer suas observações e propostas a este Superior.

Do ponto de vista jurídico a Associação é constituída como “Pia União”, o termo mais modesto utilizado no Direito da Igreja. Aproxima-se, no entanto, do tipo da “Ordem Terceira”: sua meta é justamente a de alcançar a perfeição evangélica, mas com espírito salesiano, e não tanto com a oração quanto com a caridade ativa para com o próximo, principalmente para com os jovens pobres, como o próprio Dom Bosco explicava. Estando em revisão o Código de Direito Canônico, o código jurídico da Igreja.

A ORGANIZAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO

Respeitando o pensamento de Dom Bosco, a organização da Associação se faz em instâncias de animação e governo.

O CENTRO LOCAL

O núcleo fundamental da realidade associativa é o CENTRO: agrupa os Cooperadores que operam em determinado território e é constituído junto a uma obra dos Salesianos de Dom Bosco (SDB) ou das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), ou fora delas. Anima e coordena as atividades locais.



O Centro é uma estrutura indispensável; é a célula vital para atingir as finalidades da Associação; é núcleo e fundamento enquanto dá energia e apoio à Associação; é a unidade de base operativa.

Os Cooperadores residentes onde não existe um Centro permanecem sempre ligados ao mais próximo, o qual mantém os contatos com eles e lhes favorece a participação na vida e nas atividades.

REALIDADE PROVINCIAL

Os Centros se organizam, apenas seja possível, em plano inspetorial, apoiando-se na realidade estrutural da Inspetoria dos Salesianos (SDB). A ligação permite desenvolver-se e trabalhar de maneira mais ampla e mais concreta”. (RVA 42,1)

Um âmbito de notável importância organizativa é o agrupamento dos Centros num plano provincial.


A finalidade desse agrupamento é a de “permitir que os Centos se desenvolvam”com o aumento do número dos Cooperadores e dos mesmos Centros. Além disso, o de permitir-lhes “trabalhar de maneira mais ampla e mais concreta”. Tudo isso, graças às relações de comunhão e colaboração estabelecidas justamente em nível provincial. Este agrupamento é coordenado por um Conselho e por direção colegiada.

REALIDADE NACIONAL

Os diversos Conselhos Provinciais dos Cooperadores, e/ou na mesma Região cultural-linguística, constituem a Conferência Nacional e/ou Regional, sendo coordenada por um Salesiano.

Cooperador eleito entre os membros da mesma Conferência, acompanhados por um Salesiano SDB e uma Filha de Maria Auxiliadora (FMA) designados pelos inspetores e inspetoras salesianas.

REALIDADE MUNDIAL

Para uma maior dinamicidade, a Associação com sede em Roma junto a Casa Geral dos Salesianos, se organiza por um grupo denominado Conselho Mundial.

Dela fazem parte um representante de cada região salesiana eleito pela Associação através das Conferências Nacionais/Regionais, tendo por base as regiões dos salesianos (sdb). Participam ainda cinco membros indicados pelo Superior Geral, o Reitor-Mor, sucessor de Dom Bosco.

 
 

 

Voltar para a página inicial



® 2008 Salesianos Cooperadores Brasil - © Todos os direitos reservados

 
     
CONSULTA REGIÃO BRASIL
Secretaria Executiva Regional
secretaria@salesianoscooperadores.org
administracao@salesianoscooperadores.org
formacao@salesianoscooperadores.org
delegada_fma@salesianoscooperadores.org
delegado_sdb@salesianoscooperadores.org
Coordenadores Provinciais
coordenacao_bre@salesianoscooperadores.org
coordenacao_bcg@salesianoscooperadores.org
coordenacao_bma@salesianoscooperadores.org
sscc@salesianoscooperadores.org



Conselho Mundial
SDB Casa Geral
FMA Casa Geral
Vaticano
CNBB
União pela Vida
Ex-Alunos Mundial