Arquivo: Junho 2009

O CONGRESSO ESTÁ CHEGANDO...

É HORA DE TESTEMUNHAR!

O momento deve ser de intensa reflexão, de refazer forças, repensar valores, conceitos, comportamentos, de reorganizar a caminhada, de cada um e da Associação como um todo. O tema: “Projeto de Vida Apostólica” e o lema: ”É hora de testemunhar” serão as pistas que desenharão o trajeto a ser caminhado em nossa missão nos próximos três anos.

Experiências serão trocadas nas palestras e oficinas, no doce convívio com tantos irmãos: SSCC, SDB, FMA, EEAA, etc, dos quatro cantos deste nosso pais continente e mesmo convidados de outros países que, como nós, acreditam num mundo melhor. Sentiremos a pulsação vibrante de pessoas positivas. Isso nos fará um grande bem, renovarão nossas forças e nossas esperanças.

A Família estará reunida e quando isso acontece não pode haver festa maior.

O clima de festa nos leva a arregaçar as mangas e entrar de cabeça nas providências para viagem, estadia, estudos; quem falará afine a voz, que ouvirá afine a audição, afinemos todos o intelecto. Quem não quer perder o bonde se avie, se apresse, afinal, como já aprendi com nossos irmãos nordestinos: “camarão que dorme a onda leva.”

Se faltava pintar um clima esse já pintou! “Pequeninas” divergências, arestazinhas teimosas, são coisas de somenos diante da grande oportunidade de nos reaprochegarmos. A messe é grande, os operários são (ainda), poucos, logo, antenemo-nos com o objetivo maior para que, ao encerrar o Congresso, tomemos animados, cada um o seu eito na grande messe salesiana.

Deve ressoar o sábio aconselhamento do grande Dom Bosco: “pequenas forças unidas se agigantam!” É o fluir do sonho sonhado em direção à plena realização, é como a encantadora música de Gigliola Cinquetti: “ninguém pode deter o rio que corre para o mar” em “Dio come te amo!”, ou como no clássico samba enredo: “é como um rio que passa em nossa vida e o nosso coração vai se deixando se levar”. O aprendizado acumulado em cada Congresso é como um contínuo martelar e, sabemos, “o que quebra a pedra não é a última martelada, mas cada uma delas”. Esse é o espírito que deve nortear cada participante.

Recife nos espera. Afivelemos os cintos. Aqui vamos nós! Viva Dom Bosco! Vivam todos os santos salesianos! Os que já se fizeram e os que estão em processo.


UM ENCONTRO DECISIVO

- Senhor Dom Bosco, me desculpe! Se o senhor começa a acolher esse tipo de moleques, eu não garanto mais nada! Sorridente o jovem padre volta-se para o sacristão da Igreja de São Francisco de Assis.

- Meu caro, eu bem conheço qual é a sua honestidade....

- Então o senhor deveria compreender que esta espécie de meninos não nos traz senão aborrecimentos. Um momento de desatenção e...

- Não! Você não notou bem como ele era dócil para comigo?

Com o senhor, padre, com o senhor. Mas o senhor não está sempre lá, e quando ele voltar, quem se ocupara dele?

- Justamente, acabo de lhe pedir que volte domingo que vem.

- O que? Mas salvo o respeito que tenho para com o senhor; a quem o senhor pediu autorização?

- Esse menino se chama Bartolomeu. Ele não é um moleque. É um órfão. Vem de Asti e procura trabalho. É normal que demos atenção a estes jovens.

- Atenção! Mas, senhor padre, eu vos reconduzo multidões deles a partir de amanhã de manhã!

Dom Bosco compreendia a perplexidade do sacristão. Ele ainda não tinha digerido sua corrida matinal atrás do menino que ele apenas expulsara da Igreja e que o jovem padre, que se preparava para celebrar a Missa, lhe tinha pedido que o trouxesse de volta.

Mas Dom Bosco não podia deixar o bravo homem agir daquela maneira com o pobre menino. É verdade que Bartolomeu não era tão sagaz, do alto dos seus 16 anos.

Dom Bosco acabara de passar com ele uma boa hora para chegar laboriosamente a fazer o sinal da cruz e recitar uma oração.

- Você compreende, José, desde que estou em Turim, eu encontro todos os dias jovens como ele, na cadeia ou nas ruas. Mas eu é que vou lá. Neste caso, foi ele que veio. Foi ele que entrou novamente na casa de Deus.

- Está bem... na sacristia! E eu me pergunto: para fazer o que?

- Mas, José, cáspita! Para buscar um pouco de calor... e não somente de calor que aquece o corpo, mas também de calor humano, se você entende o que eu quero dizer!

- Ah, Dom Bosco, eu conheço o senhor. Vai se perder por causa de sua bondade! Compreenda: estamos no dia 8 de dezembro, festa da Imaculada Conceição, há quase uma Missa para cada altar, a cada hora e até as 11 horas. Então, entre os meninos que se arrastam para procurar calor e os padres que desfilam para dizer sua Missa, eu não sei mais onde colocar a cabeça!

- Sim meu caro, mas com Bartolomeu eu sinto que nós chegaremos a bom fim. Ele me prometeu voltar para uma aula de catecismo. Ele conhece outros jovens e com ele nós lançaremos um Oratório.

- Pobre Dom Bosco, um Oratório!

José Comotti tinha visto outros, idealistas. "Felizmente – pensara ele -, com a experiência eles desanimam uns após os outro".
Felizmente dizemos nós, o sacristão José Comotti, ao menos desta vez, se enganou.

( Elaborado por SC Antônio Rodrigues a partir do livro “Nas Raízes de um Sonho”. Editora Salesiana-SP)


CHEGADA DOS SALESIANOS NO BRASIL
14 de julho de 1883


Viva São João Bosco em terras brasileiras

A história salesiana no Brasill inicia em 14 de julho de 1883, uma expedição de sete salesianos é recebida pelo bispo carioca Dom Lacerda, que, em visita à Itália, se encantara com o trabalho de Giovanni Melchior Bosco, o Dom Bosco. Numa pequena chácara no bairro de Santa Rosa, em Niterói, é fundada a primeira obra salesiana no país. Era o começo de uma missão educativa que ainda hoje tem como princípio a formação de jovens conscientes e cidadãos.

Diz a história que, no dia da chegada os primeiros salesianos chegaram à primeira casa em Niterói/RJ no início da noite e, não tendo nada para comer, receberam dos vizinhos um queijo, ovos e vinho. Em algum momento da história a tradição transformou queijo e ovos em queijo e rapadura – sendo assim, neste dia 14 de julho se faz memória deste dia feliz comendo queijo e rapadura.

Louvado seja Deus por estes 126 anos
de amor e dedicação à educação
das crianças e jovens do Brasil !

Conheça o Colégio Salesiano Santa Rosa, onde começou a história salesiana no Brasil visitando o seu site:
http://www.salesianoniteroi.com.br


Maria Romero Meneses

Maria Romero Meneses nasceu a 13 de janeiro de 1902 em Granada, na Nicarágua e pertencia a uma família católica, cujas raízes eram espanholas . Os pais, Félix e Ana, eram de classe média e tiveram treze filhos. Ela recebeu uma sólida formação religiosa e excelente instrução tradicional. Gostava de estudar música, desenho e pintura, possuindo um raro talento para as artes.

Aos 28 anos realizou seus votos na Congregação Salesiana das Filhas de Maria Auxiliadora. Foi transferida para a missão na Costa Rica, em 1931, onde ensinava música, desenho e datilografia. Além disto, incluiu nas suas atividades educativas a catequese ministrada aos jovens da periferia da capital de São José. Passados três anos, Maria Romero deu vida à outra maneira de evangelização, socorria as famílias pobres e marginalizadas, contando para isto com a caridade vinda das famílias mais ricas.

Em 1961, ela, sempre sensível ao "grito dos pobres", iniciou uma série de cursos de qualificação profissional para os jovens carentes e também para os adultos. Esta iniciativa foi apenas a abertura para muitas outras obras, todas direcionadas à população mais sofrida, até finalizar com a fundação das Obras Sociais de Maria Auxiliadora.

Com a autorização do Bispo, quatro anos depois, começou uma série de exercícios espirituais destinados às várias categorias: jovens, benfeitores das Obras e mães de família que, com os seus filhos, não raro doentes, ali recebiam a assistência médica gratuita. Contando com a colaboração e a disponibilidade de alguns médicos e enfermeiros de boa vontade, em 1966, fundaram um Hospital de Clínicas Gerais, destinado ao atendimento de toda a comunidade, mas beneficiando especialmente os pobres.

Autorizada pelo arcebispo de São José e com a aprovação da sua Superiora, em 1973, mobilizou-se e conseguiu um grande terreno e a construção de um número ainda maior de casas destinadas aos desabrigados das periferias. Atualmente, o local se tornou a cidade de Santa Maria, em homenagem a sua fundadora.

Outro dom que Maria Romero possuía era o do conselho, que ela não negava à ninguém. Houve uma comoção muito forte em todo o país, ao ser noticiada sua morte no dia 07 de julho de 1977, ocorrida subitamente quando regressava de um descanso na Nicarágua.

Foi declarada venerável pelo Papa João Paulo II em 18 de dezembro de 2000. Sua esperada beatificação aconteceu na Páscoa de 2002. O governo da Costa Rica a declarou "cidadã honorária da nação"

Para muitos, foi uma “versão feminina” de “Dom Bosco. Na boca de seu povo, foi uma autêntica santa e toda América latina, em especial a Nicarágua e Costa Rica, celebrou com grande júbilo e dia de sua Beatificação.

Ela é venerada no dia de seu trânsito (07 de julho) e suas relíquias estão sepultadas na igreja de São José da Costa Rica.



SANTIDADE É OBEDIÊNCIA
(por SC Antonio Rodrigues da Silva)

As passagens evangélicas: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e tudo o mais vos será acrescentado” MT 6, 33; “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura, quem crer e for batizado será salvo, quem não crer será condenado” Mc 16, 15-16 e “Quem diz conhecê-lo e não guarda os seus Mandamentos é mentiroso e a Verdade não está com ele.” I Jo2, 4; “Sejam perfeitos (santos), assim como vosso Pai celeste é perfeito(Santo).” MT 5, 48, dão-nos a medida certa daquilo que se estabelece a quem busca ser salvo, ou seja, atingir a santidade. Isso mesmo! Não havendo santidade, não haverá salvação!

Quando Dom Bosco diz a Domingos Sávio: “A santidade é possível e há um grande prêmio no céu para quem consegue ser santo e completa: ser santo é viver na alegria e fazer bem feitas as atribuições da vossa responsabilidade.” e quando o Papa João Paulo II diz: ( “a santidade não consiste em fazer coisas extra-ordinárias, mas em fazer as coisas ordinárias de maneira extra-ordinária.” ) estão dizendo a mesma coisa, Santificar-se é salvar-se, é viver a graça da vida eterna, já, agora, na glória de Deus.

A busca do Reino de Deus será uma luta inglória se não vivermos consoantes aos seus Mandamentos e os Mandamentos da sua Igreja, se não celebramos os seus Sacramentos e se não praticarmos as Obras de Misericórdia. Todo aquele que se diz discípulo, e todos o somos pelo Batismo, é também um enviado, um missionário, alguém que deve levar o Evangelho a toda criatura, a começar por si próprio. Atentemos para o fato de que não basta ser batizado se não vivemos de acordo com as promessas do Batismo. Nelas estão contidos todas as normas citadas acima: Mandamentos, Sacramentos e Obras de Misericórdias que provem nosso amor a Deus e ao próximo. Será santo quem os obedecê-los. Viver destoante a estes preceitos seria como buscar o Reino de Deus sem buscar sua justiça. Se no reino terrestre devemos viver consoante às normas pré-estabelecidas pelos homens, no Reino de Deus devemos obedecer às normas estabelecidas por Deus. É mais que um lógica. Se como cidadão terrestre tenho meus direitos e deveres, como cidadão celeste, também os tenho.

Se na terra, não cumpro com o meus deveres de cidadão terrestre, desobedecendo à lei dos homens, fico sujeito às penalidade da lei dos homens devendo ser atuado, julgado e, se condenado, perco meus direitos de cidadão, ao desobedecer à Lei de Deus não poderia ser diferente. Diferente da justiça dos homens, a justiça de Deus nunca falha. É a ela que devemos buscar se quisermos que tudo o mais nos seja acrescentado.

Salesianos Cooperadores, membros de uma Associação Pública de Fiéis, a modo de uma terceira ordem religiosa, assim diz o Breve “Cum Sicut”, com o qual Pio IX nos aprovou, na presença feliz de Dom Bosco, sejamos realmente fiéis a esses ensinamentos e, certamente, seremos santos.

 


NOSSO CONGRESSO ESTÁ CHEGANDO...


PESQUISA
SOBRE JUVENTUDES SUL-AMERICANAS

A pesquisa "Juventudes Sul-americanas: diálogos para a construção de uma democracia regional" chega ao fim. O levantamento, desenvolvido por Ibase e Pólis, revela diferenças e semelhanças entre jovens e adultos. Foi dividido em três fases e envolveu jovens e pesquisadores(as) de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Acesse a publicação completa no site:
www.ibase.br/modules.php?name=Conteudo&pid=2162


CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011:
ESCOLHIDOS O TEMA E O LEMA

Aconteceu nos dias 15 e 16 a reunião do Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB (Consep), em Brasília. Esta reunião teve o intuito de avaliar a Campanha da Fraternidade 2009 (CF) “Fraternidade e Segurança Pública” e escolher os temas e lemas para a Campanha de 2011.
“A reunião acontece todos os anos e tem como finalidade avaliar a campanha do ano corrente, apresentar a campanha do ano seguinte e a escolha do tema e do lema para a campanha de dois anos depois”, afirmou o secretário executivo da CF, padre José Adalberto Vanzella. Ficou escolhido então que em 2011 o tema será “Fraternidade e a vida no planeta” e o lema “A criação geme em dores de parto”. E em 2010, a Campanha será ecumênica e terá como tema “Economia e vida” e lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”, escolhido no ano passado. Ainda de acordo com o padre Vanzella, após a escolha dos temas o próximo passo será a realização de um seminário que acontecerá nos dias 10 e 11 de setembro, na sede da CNBB em Brasília, para estabelecer os assuntos e as estruturas para a Campanha de 2011 e, posteriormente, apresentá-las para aprovação dos bispos.

É HORA DE TESTEMUNHAR!

Faltam ainda alguns dias, menos de um mês, e já vislumbramos as alegrias do IX Congresso dos Salesianos Cooperadores com o qual nos brindarão os nossos irmãos da Inspetoria São Luiz Gonzaga, Província de Recife ( BRE ).

O momento deve ser de intensa reflexão, de refazer forças, repensar valores, conceitos, comportamentos, de reorganizar a caminhada, de cada um e da Associação como um todo.

O tema: “Projeto de Vida Apostólica” e o lema: ”É hora de testemunhar” serão as pistas que desenharão o trajeto a ser caminhado em nossa missão nos próximos três anos.

Experiências serão trocadas nas palestras e oficinas, no doce convívio com tantos irmãos: SSCC, SDB, FMA, EEAA, etc, dos quatro cantos deste nosso pais continente e mesmo convidados de outros países que, como nós, acreditam num mundo melhor. Sentiremos a pulsação vibrante de pessoas positivas. Isso nos fará um grande bem, renovarão nossas forças e nossas esperanças.

A Família estará reunida e quando isso acontece não pode haver festa maior.

O clima de festa nos leva a arregaçar as mangas e entrar de cabeça nas providências para viagem, estadia, estudos; quem falará afine a voz, que ouvirá afine a audição, afinemos todos o intelecto. Quem não quer perder o bonde se avie, se apresse, afinal, como já aprendi com nossos irmãos nordestinos: “camarão que dorme a onda leva.”

Se faltava pintar um clima esse já pintou!

“Pequeninas” divergências, arestazinhas teimosas, são coisas de somenos diante da grande oportunidade de nos reaprochegarmos. A messe é grande, os operários são (ainda), poucos, logo, antenemo-nos com o objetivo maior para que, ao encerrar o Congresso, tomemos animados, cada um o seu eito na grande messe salesiana.

Deve ressoar o sábio aconselhamento do grande Dom Bosco: “pequenas forças unidas se agigantam!” É o fluir do sonho sonhado em direção à plena realização, é como a encantadora música de Gigliola Cinquetti: “ninguém pode deter o rio que corre para o mar” em “Dio come te amo!”, ou como no clássico samba enredo: “é como um rio que passa em nossa vida e o nosso coração vai se deixando se levar”.

O aprendizado acumulado em cada Congresso é como um contínuo martelar e, sabemos, “o que quebra a pedra não é a última martelada, mas cada uma delas”. Esse é o espírito que deve nortear cada participante.

As frases “somos Dom Bosco que caminha” e “somos herdeiros da mensagem que João desde a infância ousara interpretar, sejam o toque de reunir em mais esta caminhada, em mais este desafio e, que nada impeça que tenhamos com um Congresso profícuo e frutuoso. Contudo, é mister que sonhemos despertos, unidos, conscientes do nosso caráter associativo, da nossa pertença, da nossa identidade de leigos laboriosos, portanto, sem individualismo, de mãos dadas e em Comunhão de Família.

Recife nos espera.
Afivelemos os cintos.
Aqui vamos nós!
Viva Dom Bosco!
Vivam todos os santos salesianos!
Os que já se fizeram e os que estão em processo.


DO SONHO DE DOM BOSCO
A UM ESPETÁCULO
PARA O CARNAVAL DE 2010

A Escola de Samba ‘Beija-Flor de Nilópolis’ divulgou o enredo para o Carnaval de 2010, que terá como tema os 50 anos de fundação da cidade de Brasília. Com o título "Brilhante ao sol do novo mundo: Brasília do sonho à realidade, a capital da esperança", a escola de Nilópolis – na Baixada Fluminense, região metropolitana do Rio de Janeiro –, diversas vezes campeã do Grupo Especial no carnaval do Rio, irá abordar a história da Capital do Brasil, a partir do sonho-profecia de São João Bosco, tomado como inspiração para que o ex-Presidente Juscelino Kubitschek empreendesse a grande aventura de plantar em pleno planalto central brasileiro a nova Capital do País. Brasília, como se sabe, tem Dom Bosco como co-padroeiro, ao lado de Nossa Senhora Aparecida: e a primeira construção em alvenaria foi a Ermida, dedicada ao "Santo dos Jovens". Para a pesquisa sobre o tema, o Centro de Salesianos Cooperadores «P. Pedro Falcone», de Niterói (RJ), forneceu ao Carnavalesco Alexandre Louzada alguns elementos sobre o sonho de Dom Bosco, considerado profecia sobre a cidade de Brasília. O carnavalesco da Beija-Flor, tetracampeã do carnaval carioca (98, 2006, 2007 e 2008), é ex-aluno salesiano, que estudou no Colégio Salesiano Santa Rosa, de Niterói, nos anos ‘70.


PROJETO JATAI
VISITA FORMATIVA EM BSP

Salesianos Cooperadores do Centro Local Coração Eucarístico de Pindamonhangaba – BSP

Alma do Projeto Jataí na Visita Formativa do casal de Formadores SC Antonio Rodrigues e Maria Claudina Pires da Silva – Província BSP em 07 de junho de 2009 ( foto abaixo )

O Jataí é mais uma das estações que a nave que leva o sonho de Dom Bosco percorre sem parar, semeia-o aqui, ali, acolá.
"Aventura de quem colhe, Bem-Aventurança de quem semeia". Scards


SÃO JOÃO BATISTA
Precursor do Messias
e Onomástico de Dom Bosco

(por SC. Antônio Rodrigues)

“Entre os nascidos de mulher, não há maior profeta que João Batista; porém, o que é menor no Reino de Deus é maior do que ele.” (Lc 7, 28)

São João Batista era mais que um profeta, pois era o Precursor do Messias, e sua missão consistia em pregar ao povo a oração e a penitência em vista do Reino de Deus que se aproximava, e, à chegada do Messias, apontá-lo ao povo.

Há seiscentos anos, Isaias já profetizara sua vinda. “Uma voz clama no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.” (Isaias 40,3)

João Batista nos incita a frutificar os nossos dons: “toda árvore que não produzir bons frutos será cortada e lançada ao fogo.” (Mt 3, 10 b)

Incita-nos à caridade: “quem tem duas túnicas dê uma ao que não tem; e quem tem o que comer, faça o mesmo.” (Lc 3, 11)

Aos soldados aconselhava: “Não pratiqueis a violência e não defraudeis a ninguém, contentai-vos com o vosso soldo.”(Lc 3, 14)

Sobre Jesus dizia que seu poder e sua dignidade eram tamanhos a ponto de sentir-se “indigno até mesmo de desatar os cordões que amarravam Suas sandálias.” (Mc 1, 7 b)

E, humildemente, declarou: “Importa que Ele cresça e que eu diminua.” (Jo 3, 30)

A João e André, seus discípulos que viriam a ser Apóstolos de Jesus Cristo, apontou-O revelando Sua identidade: “Eis o Cordeiro de Deus.” (Jo 1, 36 b)

Dom Bosco, cujo nome de Batismo era João, festejava efusivamente o dia de São João Batista e foi no seu dia que ao proferir sua homilia usou de tanta sensibilidade que veio atingir em cheio o coração do jovenzinho Domingos Sávio. Entre as passagens evangélicas comuns à liturgia do dia, Dom Bosco incluiu a Primeira Carta aos Tessalonicenses enfatizando os versículos 3, 4, 5, 7 e 8 do capítulo 4 que diz: “Essa é a vontade de Deus: a vossa santificação; que eviteis a impureza; que cada um de vós saiba possuir o seu corpo santa e honestamente; pois Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. Por conseguinte, desprezar estes preceitos é desprezar não a um homem, mas ao próprio Deus, que nos deu o seu Espírito Santo.”E acrescentou: “ há um grande prêmio no céu para quem se tornar santo.”

Por conta das festividades do seu onomástico, Dom Bosco dirigiu-se a todos os meninos do seu oratório esta generosa oferta: “peçam a mim tudo o que quiserem e, desde que esteja dentro da minha possibilidade, eu vos concederei.”
Os pedidos choveram, teve até quem pediu 100 quilos de torrone. Dom Bosco divertiu-se muito com seus “birichini” ( molequinhos ), assim os chamava carinhosamente. Um pedido muito diferente, nem por isso menos ( para Dom Bosco o mais ) especial, escrito em um retalhozinho de papel, fora entregue por Domingos Sávio e dizia: “Ensina-me a ser santo.” Daí a resposta de Dom Bosco, em forma de receita, que também para nós deve ser conclusiva: não mais que dois ingredientes são necessários para a santidade: viver na alegria e fazer bem feitas as atribuições da vossa responsabilidade.”

Domingos a aprendeu e no-la ensina, não com promessas, mas com suas ações, estas mesmas que, no dia 12 de junho de 1954 o levaram, através de Pio XII, às glórias do altar.

Viva São João Batista!

E viva São João Bosco!

E, porque não? Viva São Domingos Sávio e todos os santos de junho!


23 de junho de 2009
SÃO JOSÉ CAFASSO (Confessor)

(+ Turim, Itália, 1860)

Era professor de Teologia Moral em Turim. Foi mestre e diretor espiritual de São João Bosco. Deu Excelente formação moral ao clero piemontês, de acordo com a boa escola de São Francisco de Sales e Santo Afonso de Ligório. Deixou em testamento os poucos bens que possuía a seus amigos São João Bosco e São José Benedito Cottolengo.

(Fonte: "Cada dia tem seu Santo", de A. de França Andrade - Artpress)


IRMÃOS E IRMÃS EM DOM BOSCO
(PVA - Art.13 do Estatuto)

A vocação comum e a pertença à mesma Associação tornam os Salesianos Cooperadores irmãos e irmãs espirituais.
"Unidos num só coração e numa só alma", vivem a união fraterna com os vínculos característicos do espírito de Dom Bosco.
Participam com alegria da "vida de família" da Associação, para se conhecerem, crescerem juntos, trocarem experiências e em elaborar projetos apostólicos.


21 de junho de 2009
São Luís Gonzaga, Confessor
(+ Roma, 1591)


Pertencia à família dos duques de Mântua e era príncipe do Sacro Império, sendo herdeiro do feudo soberano de Castiglione. A tudo renunciou depois de uma luta árdua para conseguir licença paterna, e ingressou aos 17 anos na Companhia de Jesus. Faleceu em Roma, aos 24 anos, vitimado por uma epidemia à qual se expusera voluntariamente tratando de enfermos. É modelo de pureza e patrono da juventude católica.

(Fonte: "Cada dia tem seu Santo", de A. de França Andrade - Artpress)


SANTO ANTÔNIO
(por SC. Antônio Rodrigues)

Santo Antônio, cujo nome de Batismo era Fernando de Bulhões, de família muito rica, nasceu em Portugal, na cidade de Lisboa, em 15 de agosto de 1195. O nome Antonio recebeu-o ao se tornar Franciscano em 1220.

É um santo extremamente querido especialmente pela fama adquirida de casamenteiro, todavia, muitos outros milagres são a ele atribuídos. Citemos alguns:

Pregação aos peixes.

Esse milagre aconteceu em Rimini, quando as pessoas a quem Santo Antônio pregava, viraram-lhe as costas. O santo calmamente se dirige à beira do rio e passa a pregar aos peixes. Cardumes se aproximam e colocam a cabeça fora d’água como a escutá-lo. A conversão dos hereges que presenciaram atônitos o milagre foi quase que imediata. Padre Antônio Vieira, devotíssimo de Santo Antônio, baseou-se neste milagre para elaborar um de seus famosos sermões, uma das obras primas da nossa literatura.

Santo Antônio livra o pai da forca.

Seu pai fora julgado e condenado, acusado de matar um homem em Portugal e a sentença estava para ser proferida. Santo Antônio, neste exato momento, interrompeu a homilia na Missa que celebrava na Itália, pareceu dormir mesmo estando em pé. Ao mesmo tempo, foi visto no tribunal português falando aos juízes, pedindo-lhes ponderação e afirmando que podia provar a inocência do pai. Ato contínuo, levou-os ao cemitério, mandou abrir o túmulo do assassinado e perguntou-lhe: __ Foi meu pai, Martinho de Bulhões, que o matou? Ao que o falecido, vagarosa mas firmemente, respondeu: __ Não foi Martinho de Bulhões quem me matou. O pai do santo foi declarado inocente e solto.

O responsório

Outra história muito conhecida é a provável responsável pela associação de Santo Antônio com a descoberta de pessoas e objetos desaparecidos. Conta-se que, um dia, o santo descobriu que um noviço havia fugido do mosteiro e levado com ele seus comentários sobre o Livro dos Salmos. Pôs-se a rezar e o jovem arrependido voltou e devolveu os manuscritos. Perdoado, foi reintegrado à vida religiosa.

Tradição

Entre algumas delas está o "pãozinho de Santo Antônio" que os fies vêem buscar nas celebrações em sua homenagem. O pão abençoado na Missa deve ser colocado junto aos alimentos como símbolo de fartura.

Outro costume é o da doação do pão. Este costume, normalmente fruto de promessa, consta da doação de tantos quilos de pão quantos forem os quilos de peso da pessoa agraciada com o milagre.

Fiquemos por aqui, pois, o espaço é curto para falar de tantas obras, milagres e mesmo lendas, sobre a vida do santo.

Morreu a na cidade de Pádua, na Itália no dia 13 de junho de 1231.

Suas últimas palavras são:
                        " Estou vendo o meu Senhor "
.




CORPUS CHRISTI
(por SC. Antônio Rodrigues)

“Isto é Meu Corpo que é dado por vós.”

Na Eucaristia, Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Cristo os cristãos contemplam o maior sinal da unidade da Igreja. É o Sacramento por excelência, a presença real do Cristo, Cordeiro de Deus, Aquele que tira os pecados do mundo.

Ao celebrar a festa de Corpus Cristo, não podemos ficar alheios às situações de desigualdade social e de injustiças. Sua celebração é oportunidade para todos nós, cristãos ou não, atentarmos para as necessidades das pessoas menos favorecidas.

O pão é símbolo da partilha, logo, O Pão Eucarístico nos é dado para que sejamos unidos num só corpo em Cristo e vivamos a caridade fraterna também fora da celebração."

Partilha, solidariedade antepõe-se a situações de desigualdade social: injustiça, de fome, tráfico, guerras e tantos outros tipos de violência.

Não há, pois, momento mais oportuno que a festa de Corpus Christi para tratarmos do tema em epígrafe.

De Dom Bosco aprendemos que “Cristo se faz providência para aqueles que se fazem providência para os outros”.

Demos graças e louvemos a todo momento ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento!


NOVO CENTRO LOCAL EM BSP


No último dia 06 de junho, 18 aspirantes firmaram seu compromisso público, tornando-se Salesianos Cooperadores e erigindo mais um Centro Local na Província de São Paulo, o Centro Local N. Sra. de Fátima e Santo Amaro, junto À paróquia de mesmo nome, no Guarujá.

Com esses, já são 402 os Cooperadores de São Paulo, distribuídos em 21 Centros Locais.


AS FESTAS DE JUNHO - SÃO PEDRO
(por SC. Antônio Rodrigues)

Nos santos de junho: Pedro, João e Antônio, o sentido de missão fica bastante evidenciado. Nesta primeira parte falemos de Pedro.

Pedro evoca o sentido de mudança. Sim, quem se propõe a ser missionário deve, antes de mais nada, ter consciência de que a missão o mudará e a mudança será constante. É mesmo um paradoxo: “a única coisa permanente na vida é a mudança”. Logo, quem não aceita mudanças, não serve para ser missionário.

Pedro era pescador (de peixes), Jesus muda-lhe o foco, agora será pescador de pessoas. Chamava-se Simão, agora é Cefas que quer dizer Pedra, para nós Pedro.

Era teimoso, tornou-se dócil, obediente. Era pecador, tornou-se santo. Jesus o apascentou e enviou-o a apascentar suas ovelhas. Era ovelha, tornou-se Pastor, recebeu as chaves do redil, “o que ligares na terra eu ligo no céu, o que não ligares aqui eu lá não ligo”. Era pequeno, talvez o último, tornou-se grande, o primeiro, o chefe da Igreja.

Era fraco, medroso, negou Jesus por três vezes, Jesus o reconciliou outras três. Só pediu, também três vezes, que lhe confirmasse que O amava. E ele assim o fez.

Pedro, pedra, rocha, alicerce, evoca a firmeza que devemos ter, missionários que somos, desde o Batismo.

É essa mesma firmeza que nos evoca: missionários batizados, Salesianos Compromissados, diante do mesmo altar.

Procuremos imitar a firmeza do “Grande Pescador”: Antes “Simões”, evoluamos para “Pedros”, Aspirantes, evoluamos a Salesianos. Indeciso, agora conscientes, chamados a cooperar, agora Cooperadores.

Antes Leigos, talvez um tanto “apagados”, agora iluminados pelo carisma e pela espiritualidade comuns aos filhos de Dom Bosco.

Mudança, ainda, nos dons que recebemos e que devemos frutificar em obras, em virtudes.

Em Santidade.


PROMESSAS EM FORTALEZA (BRE)

Em celebração realizada no Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora - Fortaleza (CE), Paulo Cordeiro Neto fez sua promessa como Salesiano cooperador, ingressando assim na Família Salesiana.

Foi uma celebração muito viva e alegre, presidida pelo P. Carlos Lorenzo Barata delegado Provincial dos SSCC que veio de Recife (PE). Além dele, Olímpio do Nascimento, Formador Provincial, também estava presente.

A comunidade participou da celebração com sentimento de admiração e profundo silêncio (que belo testemunho!). Em seguida houve uma confraternização, onde participaram amigos, familiares, Salesianos Cooperadores e Irmãs Salesianas.




® 2009 Salesianos Cooperadores Brasil - © Todos os direitos reservados

 
     
CONSULTA REGIÃO BRASIL
Secretaria Executiva Regional
secretaria@salesianoscooperadores.org
administracao@salesianoscooperadores.org
formacao@salesianoscooperadores.org
delegada_fma@salesianoscooperadores.org
delegado_sdb@salesianoscooperadores.org
Coordenadores Provinciais
coordenacao_bre@salesianoscooperadores.org
coordenacao_bcg@salesianoscooperadores.org
coordenacao_bma@salesianoscooperadores.org
sscc@salesianoscooperadores.org



Conselho Mundial
SDB Casa Geral
FMA Casa Geral
Vaticano
CNBB
União pela Vida
Ex-Alunos Mundial